Oftalmologia

Dr. Paulo Sergio Tavares



Aqui na Eyecorp temos a consciência de que nossos pacientes não buscam nada menos do que a excelência e por esse motivo investimos constantemente na capacitação e atualização do nosso corpo clínico e cirúrgico, que conta com especialistas em todas as áreas da Oftalmologia.

Acompanho pessoalmente as últimas evoluções científicas em Congressos anuais e Simpósios e nossas consultas são realizadas com o apoio dos mais modernos equipamentos do mercado, garantindo assim maior qualidade e precisão no resultado dos exames e procedimentos.

Sou médico especialista em oftalmologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo há mais de 20 anos e diretor responsável pela área de Oftalmologia da Clínica Eyecorp.

Acesse meu C.V. AQUI (Plataforma Lattes).

A seguir, uma breve descrição dos EXAMES E CIRURGIAS realizados pela Eyecorp:

EXAMES



BIOMETRIA ULTRA-SÔNICA

O comprimento exato do eixo principal do olho pode ser medido ultra-sonograficamente e é usado no cálculo da lente intra-ocular a ser utilizada na cirurgia da catarata. Sua medida é feita por aparelho próprio de ultra-som, através de uma sonda que toca levemente o globo ocular, e seu resultado é inserido no cálculo computadorizado do implante. Esse cálculo, que utiliza complexas fórmulas matemáticas, irá determinar o grau da lente que permitirá a melhor visão após a cirurgia.


CAMPIMETRIA COMPUTADORIZADA

O campo de visão pode sofrer alterações em várias doenças oculares ou neurológicas. Essas alterações podem ser detectadas e acompanhadas pelo exame de campimetria, onde um pequeno ponto luminoso - projetado em uma cúpula a frente do olho - que se aproxima, cada vez de um lado, da periferia para o centro, e ao paciente é solicitado que tão logo o perceba die um sinal, apertando um botão. Assim, pode-se demonstrar o seu campo de visão, através do mapa resultante definido pelo mesmo computador do aparelho que comanda o trajeto do ponto luminoso e a localização das respostas oferecidas.


CERATOSCOPIA COMPUTADORIZADA

A topografia da córnea - importante no diagnóstico de diversas doenças, bem como no pré e pós-operatório de suas cirurgias - pode ser detalhadamente definida através do ceratoscópio computadorizado. Ele emite anéis luminosos concêntricos que, refletidos pela superfície da córnea, são captados por um câmara e digitalizados pelo computador que analisa suas distorções e determina um mapa onde cada cor simboliza determinada curvatura. Existem ainda outras formas de captação da imagem topográfica da córnea, pela projeção de retícula ou feixes luminosos.


MAPEAMENTO DA RETINA

As alterações retinianas observadas a oftalmoscopia indireta podem ser reproduzidas em um mapa próprio, definindo seu estado atual para comparações futuras, planejamento cirúrgico ou relatórios específicos. Ilustrado por diferentes cores e símbolos codificados, trata-se de método eficiente e econômico para documentação das doenças retinianas.


MICROSCOPIA ESPECULAR

O endotélio, camada única de células que recobre internamente a córnea, o responsável pela manutenção de sua transparência. Seu exame microscópico - realizado opticamente sem tocar o olho - inclui a determinação de sua densidade celular e é importante no pré-operatório da cirurgia de catarata e do segmento anterior, bem como no acompanhamento de diversas doenças oculares que envolvem a transparência de córnea. Valores abaixo de um milhão de células por milímetro quadrado denunciam a possibilidade da perda dessa transparência.


PAM

Uma previsão da vista após a cirurgia da catarata pode ser feita através do Potencial Acuimeter, um aparelho a laser que, conseguindo atravessar a área de opacificação do cristalino, estimula a retina a ponto do paciente conseguir identificar letras ou números projetados. Assim, é possível determinar qual sua acuidade visual potencial e, ao ser removida a catarata, qual o resultado cirúrgico mais provável.


PAQUIMETRIA ULTRA-SÔNICA

A espessura da córnea deve ser mensurada tanto no pré-operatório das cirurgias refrativas (miopia, hipermetropia e astigmatismo) como no acompanhamento de diversas doenças oculares que a comprometem. Após uma gota de colírio anestésico, a sonda do aparelho de ultra-som é levemente encostada na córnea e automaticamente determina sua espessura em unidades de milésimos de milímetro. Medida em vários pontos da córnea, seus resultados sâo transferidos para um mapa cujos valores mais frequentes se situam em torno de 550mm em seu centro, aumentando a medida que se caminha a periferia.


PRÉ-OPERATÓRIO

Antes dos procedimentos cirúrgicos oculares maiores, uma avaliação clínica geral se impõe, para evitar complicações durante a cirurgia ou repercussões de doenças sistêmicas no resultado pré-operatório. Para essa avaliação, alguns exames laboratoriais de rotina são solicitados, mas poderão ser modificados pelo médico Clínico Geral do próprio paciente.


RETINOGRAFIA

Estudo fotográfico da retina. Este estudo é muito importante na evolução de lesões retinianas visíveis ao longo do tempo (Retinopatia Diabética, Hipertensão Arterial, Oclusões Arteriais e Tromboses, Venosas, nas situações Inflamatórias ou Degenerativas da Retina e da Coroideia, Degenerescência Macular Ligada à Idade e Distrofias Retinianas, Tumores Oculares, etc. )


TESTE ORTÓPTICO

Os ângulos formados pelos desvios oculares que aparecem nos estrabismos podem ser medidos nas diferentes posições do olhar e seu estudo permite o diagnóstico e tratamento ou planejamento cirúrgico para suas correções. Uma profissional formada para isso determina todas estas medidas, através de prismas e elabora um relatório que, somado ao exame oftalmológico completo, permite a melhor escolha terapêutica para cada caso.


OUTROS EXAMES COMPLEMENTARES

Há um grande número de exames complementares, além dos citados acima - que são os mais frequentes. Eventualmente são solicitados para trazer maior confiabilidade a diagnósticos ou por serem necessários à documentação em casos específicos.


CIRURGIAS



A Catarata surge a partir da opacificação do cristalino, que é uma lente intra-ocular disposta em camadas.

Os sintomas são variáveis porque há diferentes processos que levam à opacificação do cristalino. No tipo senil, que é o mais comum, as pessoas notam que a visão vai diminuindo progressivamente e os objetos podem aparecer amarelados e/ou nebulosos e/ou ter seu formato deformado.

A técnica CIRURGICA MAIS utilizada é a mais moderna, “Faco-emulsificação” ou femtolaser.

A Catarata é desintegrada e aspirada utilizando-se um aparelho com ultrassom. Após a retirada da Catarata, implanta-se a lente intra-ocular injetável por uma minúscula incisão.

Tipos de Lentes

Há vários tipos de lentes intra-oculares. As modernas lentes intraoculares utilizadas na Eye corp podem ser:

MONOFOCAIS ASFÉRICAS: CORRIGEM AS ABERRAÇÕES

MONOFOCAIS TÓRICAS: CORRIGEM O ASTIGMATISMO

MULTIFOCAIS (TRIFOCAIS) / TÓRICAS: CORRIGEM O ASTIGMATISMO E A PRESBIOPIA (VISTA CANSADA)

Catarata

A cirurgia Refrativa a laser é realizada de forma personalizada e com os mais modernos equipamentos de precisão.

Pode ser utilizada para corrigir miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia (vista cansada).

Esse procedimento é realizado para corrigir esses problemas de visão ou eliminar a necessidade do óculos.

OS PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS QUE REALIZAM AS CORREÇÕES DE CIRURGIA REFRATIVA SÃO:

LASIK

FEMTO LASIK

LASEK. Refrativa 1

Refrativa 2

Utilizada para regularização de córneas com doença ectásicas como o ceratocone e a degeneração marginal pelúcida, além de correção de altos graus de astigmatismos pós-transplante de córnea.

É realizado um túnel e de uma micro-incisão com o laser de femtossegundo, por onde o segmento de anel irá entrar e ficar estabilizado.

Implante de Anel

A retinopatia diabética resulta do efeito da diabete (I ou II) nos vasos sanguíneos da retina ao longo dos anos. O extravasamento de líquido (sangue e/ou soro) para dentro da retina pode formar os exudatos e o edema de mácula, causando baixa visão.

Descolamento de Retina

É uma situação onde a retina é descolada do fundo do olho. É uma situação grave. A miopia (mesmo operados), a diabete e os traumas são fatores que aumentam a chance de as pessoas terem descolamento de retina.

Tratamentos para o edema macular diabético (EMD)

Injeções de anti-VEGF

Atualmente, o tratamento padrão para o edema macular diabético consiste na administração da medicação anti-VEGF por uma injeção intraocular. As injeções anti-VEGF têm capacidade de barrar a progressão do EMD e, em alguns casos, até recuperar parte da visão perdida.

Cirurgia de Retina

A cirurgia de TRANSPLANTE DE CÓRNEA consiste na substituição de um disco corneano doente ( COM UM CORTE A LASER ), por outro sadio, de um doador.

Respeitando o mesmo tamanho e forma, trata-se do comum e seguro transplante de órgão.

Cirurgia de Córnea

O Glaucoma é uma das principais causas de cegueira no mundo.

É uma doença crônica e ao mesmo tempo silenciosa, pois o paciente não nota seu surgimento até que a mesma tome proporções muito avançadas e com danos graves à visão.

O tratamento para o Glaucoma tem como principal objetivo reduzir a pressão intraocular para que as fibras remanescentes consigam manter sua função, controlando o avanço da doença e prevenindo a cegueira.

Cirurgia de Glaucoma

O pterígio consiste na proliferação fibrovascular da conjuntiva.

A conjuntiva é a membrana mucosa que reveste a parte posterior da pálpebra e a parte branca do olho, cuja função é proteger o globo ocular de corpos estranhos.

O pterígio é caracterizado pelo desenvolvimento de uma pequena membrana na superfície do olho, que cresce do canto para o meio, sobre a córnea.

Normalmente é benigno, porém pode aumentar muito de tamanho e causar distúrbios visuais ao romper a superfície da córnea.

Em casos mais mais graves, pode bloquear a visão.

Pterigio

O ESTRABISMO é uma patologia que provoca o desalinhamento dos olhos, fazendo com que apontem para direções diferentes.

Estrabismo

A obstrução congênita das vias lacrimais (OCVL) é uma condição comum, presente no primeiro ano de vida, com incidência que varia de 5-20%.

A criança geralmente apresenta-se com lacrimejamento excessivo uni ou bilateral, associado à secreção mucosa e irritação da pele adjacente.

No adulto, a obstrução da via lacrimal também se manifesta com o lacrimejamento.

Cirurgia de Vias Lacrimais

Dermatocálase: Cirurgia plástica das pálpebras

Com o passar dos anos, nosso corpo diminui a produção de colágeno e elastina, e a pele torna-se mais flácida e rugosa.

O excesso de pele acumulado sobre as pálpebras recebe o nome de DERMATOCÁLASE. Essa pele redundante pode também estar associada à protrusão de bolsas de gordura, tanto nas pálpebras superiores quanto inferiores.

Cirurgia Oftalmoplastica

Os olhos de uma criança são diferentes dos olhos de um adulto. Por isso, as causas da cegueira infantil e consequentemente, as medidas adotadas para a sua prevenção, devem ser diferenciadas.

O sistema visual de uma criança é imaturo ao nascer. Para que o seu desenvolvimento possa ocorrer sem problemas, toda e qualquer anormalidade deve ser corrigida precocemente.

As doenças oculares na infância devem ser tratadas por profissionais treinados e especializados. Cirurgia Oftalmopediátrica




ANATOMIA DO OLHO